Literatortura

|

5 de maio de 2013

“Filho da puta!” foi o que pensei. Instantaneamente, impulsivamente. Ele virou o rosto pela terceira vez e, por segundos, cogitei a hipótese de ter pensado alto demais, mas logo ele voltou a caminhar, cheio de si, como todo e qualquer filho da puta com quem dividi a cama. E lá se vai ele porta afora, vestido com sua camada de orgulho e beleza estupenda. Filhooooooo, engoli em seco o restante. Ele apenas olha para trás, olhos cinzentos, cobertos de raiva e alucinação. Excitante. Bate a porta.


Eu me enrosco num lençol branco e acendo outro cigarro. O quarto tem o cheiro do perfume dele, tem o cheiro do suor dele e eu preciso esbaforir qualquer coisa para mesclar esse perfume de sexo. Deixo a fumaça do cigarro me queimar por dentro, juntamente com o resto da inocência que me sobrou. A porta se abre vagarosamente, ele caminha suavemente na minha direção. Trago, urgentemente. Meu pensamento pede que ele se afaste, que carregue para longe toda a perdição que se aloja entre nós. Engulo em seco, ele está perto demais, a barba dele quase acaricia minha bochecha, quero sair, quero ficar, quero gritar.

Ele me dá seu melhor sorriso lacônico e respira na base de meu pescoço. Beija-me suavemente sobre a clavícula, fazendo-me estremecer inteira. Eu suspiro como quem implora e volto a tragar meu cigarro com comportada malícia, mergulhando os meus olhos de ressaca nos seus de predador. Ele ri, irônico. Dá as costas e bate a porta. Outra vez.



❝ Abrindo o marcador #literatortura, em uma magnífica parceria com a Ju Fuzetto.

comentários pelo facebook:

7 comentários:

  1. Mas que grande filho de uma puta haha!

    ResponderExcluir
  2. Yey, intenso. Mas não sei quem é mais filhodaputa: ele que é um, ou ela que deixa ele ser. Ás vezes a culpa é da gente que deixa.

    "a gente aceita o amor que acha que merece".

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Uau. Que forte, Maria Fernanda! A parceria entre você e Ju rendeu ótimos frutos, mas vamos combinar, né? Não tinha como ser diferente, rs.
    Profundo e bastante real, o que existe de casos desse tipo por aí não dá pra contar. E o mais interessante no conto é a dificuldade em desistir, deixar pra lá, pegar as roupas e ir embora. Vai entender a paixão, né? O que tem de bonita, tem de louca.
    Conto perfeito, parabéns para as duas. :)

    ResponderExcluir
  5. Dessa vez a atmosfera ficou um pouco mais excitante. Você decidiu relatar emoções secretas e deliciosamente cativantes, colocando o leitor em sua cena perfeita, numa história pouco convencional.
    Seu jeito de escrever molda os acontecimentos, sugere novos rumos mas seu controle ainda é maior que os devaneios do leitor.
    Talvez o personagem se vá pois sabe que vai voltar pra sempre.

    ResponderExcluir
  6. Ah, claro, a deliciosa Ju está presente. Dois deleites num mesmo texto.

    ResponderExcluir
  7. oi querida tudo bem com você?
    passando pra conhecer seu cantinho
    e posso confessar? Eu amei aqui voltarei mais vezes
    flor estou seguindo e ficaria mega honrada se pudesse pelo menos ir conhecer meu cantinho
    ai se gostar segue ficarei muito feliz

    alinewdesigner.blogspot.com.br

    beijos linda e tenha um dia maravilhoso

    ResponderExcluir