ponto final

|

20 de julho de 2013


Bloqueei, amigo.

Desde o dia que te eternizei no mundo, eu bloqueei. Sentei inúmeras vezes para te narrar algum sonho bobo, para te contar da vida que segue e da felicidade mansa que corre aqui dentro sempre que alguém fala de você, dessa nossa saudade insana. Ainda não me acostumei a ouvir teu nome na boca de estranhos, ainda não me acostumei que tua história agora faz parte da história de tanta gente e ainda não me acostumei que a minha saudade vaga por aí, pulsando e se igualando na saudade de tanta gente. Deduzi, amigo, que as pessoas doem de uma maneira muito igual. E ao ver minha saudade por aí, ao ver as fotos e os comentários feitos pelas pessoas que leem, eu sinto uma necessidade de te contar, de fazer com que tu vejas como a tristeza consegue ser uma coisa boa e bonita apesar de tudo. E eu sento, tento escrever e não consigo. Acho que precisava disso, sabe amigo? Precisava te soltar de mim, te aliviar de vez e te enterrar comigo. Então é isso, amigo. Pensarei em você sempre, carregarei você comigo sempre, mas talvez eu não te escreva mais. Talvez, só talvez, eu te deixe livre para descansar em paz.

Saudade que não morre,
MF.



comentários pelo facebook:

7 comentários:

  1. É uma realização e tanto, não é? Deixar que seus amigos reais leiam os seus amigos inventados e vividos. Uma amizade que se alimenta de trocas bem-vindas. Parabéns por tamanha realização. Abraços.

    ResponderExcluir
  2. Só quem conquista sabe o que foi preciso para tudo valer a pena de verdade. E é tão inenarrável saber que suas palavras conversam co tantas pessoas diferentes e fazem sentido aos olhos delas, não?
    É uma relação honesta que você conseguiu transcender as páginas virtuais para preencher as páginas de um livro.
    Agradecemos, srta.

    ResponderExcluir
  3. Que saudade mais bonita e mais doce, Maria Fernanda! E que alegria saber que essa saudade agora faz parte da vida de tantas pessoas, em forma de livro. Às vezes, a gente só precisa acalmar o coração, né, alguns fazem isso soltando palavras boas por aí. Calar não quer dizer que o peito esvaziou, mas aquela intensidade do início vai abrandando. A dor e a tristeza vai cedendo àqueles sorrisos tortos de um lado só, quando a gente lembra da sorte de ter feito parte da vida de alguém tão especial. Parabéns!

    Eu quero o meu livro!!! =D
    beijO!

    ResponderExcluir
  4. Nossa, não conhecia seus textos!
    Adorei esse, e vou ler mais, com certeza!

    Parabéns pelo trabalho.
    Beijos
    m-demarcela.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Muito lindo teu texto!
    Não sabia do livro. Indo lá conhecer!

    Abraço pra ti!

    ResponderExcluir
  6. "Pensarei em você sempre, carregarei você comigo sempre, mas talvez eu não te escreva mais."

    Sera que se você fizer ele não vai sentir falta dos teus lindos escritos transbordando sentimentos?
    Essa sua saudade é muito linda e ao mesmo tempo sofrida.
    Acho que é assim com todo mundo né?

    Beijo

    ResponderExcluir
  7. Eu juro minha pequena Maria, juro que já não tenho palavras pra descrever o que sinto quando escreve sobre/para o Dan, porque é como se essa perda fosse minha também sabe? Porque desde quando comecei a te ler, foram estes textos endereçados aos céus que mais fizeram me coração poetizar saudade, porque como disse, a saudade de todo mundo é meio parecida, e tomei a sua como minha. Peguei emprestado.
    Acho que amizade é meio assim né, assim como um dia os sorrisos seus se entrelaçavam ao do Dan, hoje sorrio do lado de cá só de imaginar que cê tá sorrindo do lado daí. É amor também né? Só pode.
    Será que foi o próprio Dan que me abriu os olhos, e fez com que deste lado do país eu encontrasse seus escritos lindos de saudades, e me aproximasse cada vez mais da catarinense mais linda de todas?! Não dá pra saber.
    Sei que pra você, além de ser uma enorme realização, este livro, esta saudade impressa e compartilhada, é um alívio né? Agora, depois de todo esse tempo você se sentir pronta pra dizer que é hora de dizer adeus, de não escrever mais, de deixá-lo ir, porque aí dentro de você, ele se estrelou definitivamente no céu do seu peito.

    Lindimais, demais, demais da conta!
    Amo além da conta Fê. ♥

    Nana ;*

    ResponderExcluir

infelizmente a plataforma do blogger é meio ruinzinha para comentários, então, se quiser ver minha resposta ao comentário, terá que voltar por aqui. Ou comente pelo Facebook, ali em cima, aí aparecerá a notificação da resposta para você ;) Ah! e se tiver um blog, não tenha medo de deixar link, ok? Procuro visitar todos ♥