peace

|

8 de setembro de 2014

plural com a fofa Luana

Há quem queira um amor pra vida inteira, uma paixão avassaladora ou um amor de verão. No entanto, eu busco paz. Seja sozinha ou a dois. Seja em uma tarde cinza ou em um dia ensolarado. A melhor sensação é a de está em paz consigo mesma. E amores genéricos não merecem que minha paz seja usurpada. Antes de querer alguém eu quero paz. E paz é algo que vem de dentro para fora. Da alma, do coração e das entranhas. É você se sentir leve, sem amarras ou bagagens. Desprendida do passado com os pés no presente, mas com o foco no futuro.



Não é que eu não deseje um amor. Mas que seja leve. Que não tire minha paz. Que me traga mais. Soma de sentimentos. Multiplicações de afetos. Antes de querer alguém, se queira primeiro. Amor é bom, mas se você não se perde de si para encontrar o outro. Você não se anula em prol das vontades e caprichos do outro. A minha paz encontrei a partir do momento que entendi que ela estava dentro de mim e não em alguém — como eu tanto procurava. Encontrei-me. E hoje não tenho o amor da minha vida, mas tenho algo que vai além disso. Tenho minha paz. Com o coração tranquilo e a alma leve.

Talvez você me taxe, um pouco, de egoísta, como se eu só pensasse em mim mesma, mas te adianto, de antemão, que para ser altruísta é preciso de muita paz dentro de si. A gente não se doa quando estamos feridos por dentro, entende? Eu vasculhei tudo cá dentro, revirei todos os meus sentimentos, pus para fora aquilo que não me acrescentava e desisti de todos os desafetos que carregava numa bagagem sem graça. Precisei reconhecer-me primeiro, deixar a casa em ordem, os sentimentos no lugar e o coração pulsando tranquilo. Depois de muito trabalho, encontrei minha paz.

E então carreguei o mundo nas costas, mas sempre com o riso no rosto. Dá para ver de longe pessoas que se encontraram consigo, só pela transparência — e sinceridade — que carregam no sorriso. Pela leveza que tem no andar, embora o mundo desabe em volta. Pela certeza de dias melhores. Pela percepção nas pequenas nuances da rotina. Pessoas que percebem os detalhes são pessoas como eu: em paz.

comentários pelo facebook:

9 comentários:

  1. Maria Fernanda, que leveza!!
    Fui absorvida pelas suas palavras e viajei para tantos lugares, lembrei de tantas coisas... uma sensação maravilhosa!!!
    Foi como caminhar pela areia sentindo a brisa que vem do mar!! Que maravilha!!

    Obrigada pelas sensações!!!

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Su *-*
      essas parcerias sempre rendem bons textos =)

      Seja super bem vinda ;*

      Excluir
  2. Sim, é preciso de muita paz. Se você não esta em paz consigo mesmo, provavelmente você vai levar isso pra dentro da relação a dois e ai, cedo ou tarde, desmorona. É preciso está leve, confiante, de bem consigo mesmo, só assim podemos seguir em paz.

    Boa noite, bjos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rick, aprendi na vida esse lance de paz interior. É clichê, mas é verdadeiro demais.

      Sempre bom te ler por aqui *-*

      Excluir
  3. É sempre bom a gente estar em paz, feliz com nós mesmos, antes de efetivamente procurar um amor. Adorei o post!

    ResponderExcluir
  4. Muito verdadeiro seu texto, é exatamente isso que as pessoas teimam em não compreender, o amor próprio é primordial para amar alguém, sem paz de espírito não temos condições de sustentar uma relação saudável com quem quer que seja (pais, irmãos, namorado(a), amigos(as)...).

    Beijos Fernanda

    ResponderExcluir
  5. Lindo texto Maria Fernanda!! Vi cenas de seu casamento e o achei magnífico.
    Seu blog é muito legal e já virei seguidora.

    Mil bjokas, Sheyla.

    ResponderExcluir