everybody hurts

|

30 de janeiro de 2015


A gente se prepara para levar a rasteira da vida. Estamos todos lá, prontos para o impacto que sabemos que virá e que não tardará a vir. Aí a porrada chega. E a gente já sabia que chegaria. Mas mesmo com todo o preparo, mesmo com toda a certeza, mesmo sabendo, o impacto machuca. E percebemos que não adianta esperar por ele, estaremos sempre despreparados para essa rasteira que a vida dá.

Hoje o céu ganhou mais uma estrelinha. E aqui, do lado de dentro, está um vazio imenso e uma saudade dolorida demais. Sempre parece errado quando alguém parte. Sempre parece cedo. Sempre parece que ficou muita coisa para trás: muita coisa para ser dita, muita coisa para ser descoberta, muita conversa que deveria ter acontecido, muita história que deveria ser vivida, muitos momentos que deveriam ser curtidos juntos.

Então, lamentamos. E o choro se funde num soluço atrás do outro, porque soluçar é por para fora a dorzinha que fica aqui dentro. E a dorzinha se mistura num quê de alívio, porque a gente sabia que isso era bom. Que se não havia mais o que ser feito, então que ao menos não houvesse sofrimento...

Mas sempre há sofrimento para todos aqueles que ficam. E a saudade vai maltratar dia após dia. Então, quanto maior fica a saudade, menor fica a dor. E sei que um dia essa saudade se tornará bonita, como é bonita a saudade que tenho do outro avô, distante já há dez anos. Mas por ora, dói. Machuca. Maltrata. Há um buraco imenso e vazio no meio do peito. E umas lágrimas que não tem vergonha - alguma - de cair.

Eu queria poder escrever sobre a pessoa incrível que hoje enfeita o céu, mas as palavras não conseguem ser coesas. Deixo-me desabar. Uma hora, as palavras vem.

Faz parte.

Fridolino Probst (avô e padrinho)
* 20/07/1937 
+ 30/01/2015


E mais um verão que acabou cedo demais.


comentários pelo facebook:

5 comentários:

  1. Ah guria!
    Há coisas que são indecifráveis pra gente, não adianta ficar procurando um porque e nem questionando a vida. Mas dói, dói tanto, mas o tempo ameniza essa dor deixando só as boas lembranças na memória.
    Força!

    Beijo

    ResponderExcluir
  2. E o que dizer nessa hora?
    Ele está em um bom lugar, com certeza. Que ele descanse em paz.
    Força, e um abraço virtual, amigo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Um outro super abraço virtual de amiga, Gabs. Obrigada mesmo, mesmo mesmo ♥-♥

      Excluir
  3. O fato mais triste que carrego na minha vida é o dia em que vovô foi embora.
    Me despedir dele foi a dor mais profundamente doída que senti, e que vez em quando cisma em querer aparecer no lugar da saudade linda que eu tenho. Deixar a dor de lado é um exercício diário. Faz 8 anos que perdi meu par de olhos azuis mais lindos do mundo, e ainda sinto como se tivesse sido ontem...
    Que seja breve pra você, linda, desejo de coração que seja uma dor muito breve! Pede a Deus pra te ajudar a fazer passar, não há melhor conforto que não seja o Dele!!
    Embora não te conheça, sinta-se carinhosamente abraçada por alguém que entende perfeitamente o que você tá sentindo no momento ♥

    Beeijos

    ResponderExcluir

infelizmente a plataforma do blogger é meio ruinzinha para comentários, então, se quiser ver minha resposta ao comentário, terá que voltar por aqui. Ou comente pelo Facebook, ali em cima, aí aparecerá a notificação da resposta para você ;) Ah! e se tiver um blog, não tenha medo de deixar link, ok? Procuro visitar todos ♥