amores [im]perfeitos

|

6 de outubro de 2015


Faz tempo, muito tempo, que eu não narro aquele amor bonito por aqui. Fiquei vasculhando textos antigos e descobri tão pouco de mim — da gente — nas entrelinhas daquilo que foi escrito, que pensei nos diversos motivos de ter parado de escrever sobre o amor bonito aqui. Eu senti falta da leveza que tinha nas palavras que te escrevia e fiquei remoendo linhas antigas e me vendo ali. Nos vendo ali. Era tão bonito tudo que te escrevia. Ainda é bonito tudo que a gente sente, acredito, mas não entendo porque nosso sentimento não vira mais poesia.

Sei lá, acho que fiquei descrente. A vida veio me forçando a ser gente e encarar os problemas de frente. E eu fui ficando um pouco cética e fria. Distante. Afastei-me de mim e, consequentemente, nos afastei da gente. Eu me escondia em qualquer história mal contada, eu me via em qualquer linha mal narrada e fui qualquer um desses personagens toscos, porque eu quis ser tudo — menos eu mesma.

(...)
Esses dias eu fingi dormir, porque não queria que você visse meus olhos vermelhos de tanto chorar. Quis te poupar as perguntas. E quis me poupar das respostas, porque eu não sabia bem o que responder. Então controlei a respiração e fiquei miúda, esperando você se ajeitar debaixo das cobertas. Aí você veio, me abraçou pelas costas, deixou um beijinho de cerveja no meio dos meus cabelos loiros e me apertou contra si, ignorando o fato de que — teoricamente — eu estava dormindo. Ali eu me desfiz, mais minúscula do que nunca, mais fraca do que sempre.

E tão tua. E tão a gente, que fiquei pensando porquê faz tempo, muito tempo, que eu não narro aquele amor bonito por aqui.

• • • • • 

*Para fins de direitos autorais, declaro que as imagens utilizadas neste post não pertencem ao blog. Qualquer problema ou reclamação quanto aos direitos de imagem podem ser feitas diretamente com nosso contato. Atenderemos prontamente.

comentários pelo facebook:

4 comentários:

  1. Show de bola! Texto leve, perfeito; aquele que nos faz viajar no que a pessoa está narrando.

    ResponderExcluir
  2. Show de bola! Texto leve, perfeito; aquele que nos faz viajar no que a pessoa está narrando.

    ResponderExcluir
  3. Ain gente, quem ficou minusculinha aqui fui eu.
    Fazia tempo que a Letra A não era marcada, mas nem tudo que é verdadeiro e belo precisa ser dito sempre. Mas que bom que disse, que voltou a dizer, porque faz bem procê e pra gente também, que do lado de cá da telinha, acompanha e torce tanto.

    Loviu, Big Sis.
    So, so, so much. ♥

    ResponderExcluir
  4. Owm Fê... Fazia tempo que não passava por aqui. Mas passeando pelo face, vi o título e me chamou a atenção. Lindo demais esse texto. Fala de uma amor que pode não estar virando poesia concreta, mas é poético na vida.
    Essas palavras simples mas tão cheias de sentido são puro amor, sabe? Dá vontade de abraçar quem escreve e agradecer por inspirar. Porque é assim que estou me sentindo, inspirada.
    Beijos em você, e que haja sempre essa simplicidade nas linhas e entrelinhas, no amor, na poesia e na vida.

    ResponderExcluir

infelizmente a plataforma do blogger é meio ruinzinha para comentários, então, se quiser ver minha resposta ao comentário, terá que voltar por aqui. Ou comente pelo Facebook, ali em cima, aí aparecerá a notificação da resposta para você ;) Ah! e se tiver um blog, não tenha medo de deixar link, ok? Procuro visitar todos ♥