A gente nunca está pronto para o amor

|

26 de janeiro de 2017

MAFE-PROBST

A verdade é a que gente nunca está pronto para o amor.

Vivemos uma vida inteirinha imaginando o dia que encontraremos o amor, sonhamos acordadas com contos de fadas infantis e felizes para sempre, mas a verdade é que a gente nunca está pronto para o amor. Quando ele vem, não chega bordado de flores. Não vem nos mostrar um mundo cor de rosa. A trilha sonora nem sempre é bonita. As coisas nem sempre são como imaginamos.

Ele chega tipo um tapa na cara que faz a gente perder o rumo e se perguntar o que está acontecendo. E nessas horas parece que a gente não sabe nem o próprio nome, quem dirá saber o que sente. Os pensamentos ficam como um fone de ouvido embolado pelo canto que a gente tenta desembolar e descobrir se ainda funciona, porque ô coisa difícil de entender é o amor.

Tudo vira um caos do lado de dentro. Os sentimentos se misturam com as borboletas no estômago. A felicidade é melancólica. A gente perde o chão, se doa demais, se entrega. O voo é alto. No amor, é sempre tudo extremo demais. Principalmente o medo — que chega lá na extremidade máxima dos extremos.

Dá um medo se jogar sem saber o que nos espera, voar sem ter ideia se a gente vai saber pousar ou cair de cara no chão. A gente nunca sabe o que vem depois do voo. Mas mesmo assim a gente voa. Enxerga novos horizontes, locais nunca antes imaginados. É tudo novo. Pode ser que não seja a primeira vez que a gente se apaixone, mas é sempre tudo novo. Mesmo quem já voou antes, quem já se doou, quem já se entregou, quem já amou uma vez, nunca sabe o que esperar quando ama de novo.

A verdade, que seja dita, é que nós nunca estaremos preparados para o amor — que sorte a nossa.

Plural delicinha com a aniversariante do dia, Marina Couto

comentários pelo facebook:

8 comentários:

  1. Fê,

    Eu penso igual. Acho que escrevi uma vez que amar é não estar pronto - é não se terminar e começar no outro. E é bem isso que eu concluí outra vez, depois de ler vocês.

    Sempre apareço pra te ler, na maioria das vezes em silêncio. Seus textos têm sido tão completos que dão uma volta dentro de mim e se encerram. Não são necessárias palavras quando a gente sente assim. Fora que você tá num ritmo de escrita maravilhoso e tem escrito tão mais madura! A gente tá crescendo, né? Mas o bom é quando a gente sabe pesar a medida interna. Que bom que você tem tanto a oferecer. Nome de escritora famosa você já tem. Espero que os seus sonhos se realizem, todos. Feliz 2017, companheira das mais antigas de blogs que ainda sobrevivem!

    Um beijo meu.

    P.S.: Você tá me devendo um plural há anos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jayam ♥ eu fico sempre boba com os teus recados tão cheios de carinho. É sempre doce quando você vem. Pode comentar teu silêncio, é bom saber que você tá por aqui. feliz 2017 para gente ♥

      PS: só começar, baby. Plural nosso será lindimais da conta.

      Excluir
  2. Primeiramente, gostaria de agradecer pelo seu comentário.
    Infelizmente, é sempre mais fácil entristecer...

    Por coincidência, escutava Mary (Agnes Obel) enquanto lia este post. A trilha caiu como uma ficha: "O céu esconde o rosto dela à medida que caímos, velhos hábitos ecoaram no chão..."
    De fato, a gente nunca sabe o que vem depois do voo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. que coincidência incrível, Linniker ♥ acho tão magnífico esses acasos da vida.

      Excluir
  3. Teve uma época que eu quase decolei e subi voo. Antes do esperado, caí de cara no chão. Tenho estado de pé firme no chão há quase dois anos. Às vezes dá uma vontade de encontrar o desconhecido, me aventurar. Em outras, tenho vontade de continuar na posição de segurança em que me encontro. Só que mesmo assim, sei que um dia vai chegar. E pra variar, não vou estar pronta.

    Beijos do Conto Paulistano

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A gente nunca está pronto. E eu espero que você não tarde a voar. Que a queda não te assuste, não te impeça de tentar de novo ♥

      Excluir
  4. Sempre me identifico muito com teus textos ♥ O amor é um bichinho dificílimo de entender e alimentar rs. A gente sonha com os contos de fada e descobre nos últimos segundos que de fada não tem nada. Mas é lindo, é intenso, é gostoso. É como pular de um penhasco e amar a sensação. A gente nunca mesmo vai estar prontos para isso. É surreal.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Né? Que bom que é surreal sempre ♥

      Excluir

infelizmente a plataforma do blogger é meio ruinzinha para comentários, então, se quiser ver minha resposta ao comentário, terá que voltar por aqui. Ou comente pelo Facebook, ali em cima, aí aparecerá a notificação da resposta para você ;) Ah! e se tiver um blog, não tenha medo de deixar link, ok? Procuro visitar todos ♥