acho que me apaixonei por você

|

3 de fevereiro de 2017

mafe-probst
[ouça enquanto lê (e não desiste de mim por isso): Ai já era - Jorge e Mateus]

A última vez que me apaixonei, jurei que seria a última. Foi outro desses relacionamentos ‘pra sempre’, cheio de promessas e certezas, mas que terminou comigo jogada no sofá da sala, comendo brigadeiro direto da panela e emendando um filme no outro, assoando o nariz e secando as lágrimas, acreditando piamente que eu chorava por causa da história bonitinha do filme, não por causa de um fim que eu não quis pontuar. Enfim, eu jurei juradinho mesmo. Fiz cruz e beijei os dedos, selei pacto com o espelho, sacudi os cabelos e vamos que vamos, porque a vida era curta.

Achei que estava vacinada, confesso. Aí você sorriu para mim, daquele jeitinho que deixa seus olhos miúdos ainda mais pequenininhos. Eu senti aquele frio gostoso na barriga e te sorri de volta, mas falei para mim que estava tudo bem, que era só um sorrisinho bonito. Não era paixão, era outra coisa. Aí você veio e deu um abraço, desses de quebrar as costelas. Eu senti teu perfume invadir meu corpo inteiro e quis prolongar aquele abraço, para ver se enjoava de você. Você me soltou antes que eu enjoasse e, ufa!, ainda não era paixão.

A gente se afastou, mesmo estando perto. Você me mandava um bom dia fofo e eu acordava, todos os dias, já procurando teu bom dia que viria. A rotina estava criada: abrir as pestanas, ler teu bom dia, abrir um sorriso. Aí sim, eu saia da cama e abraçava os afazeres. Dava um gole de café entre um riso e outro. Mas não, não era paixão. Era só um carinho grande, sabe como?

Um dia, você me roubou para você – e eu deixei levar. Eu dividia espaço dentro do carro, que estava infestado com o teu cheiro. Eu tentei desviar os olhos, tentei focar em outra coisa, mas teu perfume me invadia por todos os lados. Não tinha para onde fugir, entende? Eu fui ficando acuada e sem saída. Você me pediu um beijo. Eu podia, mas não neguei. A noite foi pequena. O dia seguinte também. Mas não era paixão. Era tesão, desejo ou qualquer outra coisa.

A gente se afastou de novo, mas sem nos afastar por completo. Continuava tendo bom dia, sorriso, café, mais um tanto de riso. Diariamente. Eu estava quase me acostumando à falta de você, quando nos esbarramos em outra esquina. O coração acelerou e eu fiquei descoordenada. Mais descoordenada. Senti o corpo tremer, o estômago se contorcer e o nervosismo à flor da pele. Você me sorriu daquele jeito, me abraçou um tanto sem jeito e eu roubei o tanto de perfume que podia. ‘Três dias’.

Eu derramei uma lágrima, você duas. Dividimos a vida, a cerveja, as histórias e os lençóis. Quando vi, a minha armadura estava no canto, esquecida. Eu estava despida e entregue. Encarei-me no espelho, enxergando partes de mim que já eram tuas. Eu tinha jurado, juradinho mesmo, que nunca mais iria me empolgar novamente. Fiz cruz e beijei os dedos, selei pacto com o espelho, sacudi os cabelos e vamos que vamos, porque a vida era curta.

A vida é muito curta para não se apaixonar de novo. E eu acho que me apaixonei por você.



comentários pelo facebook:

15 comentários:

  1. Eu to apaixonada por esse texto! "A rotina estava criada: abrir as pestanas, ler teu bom dia, abrir um sorriso. Aí sim, eu saia da cama e abraçava os afazeres." Que coisa linda. Eu amei!
    http://b-uscandosonhos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Texto de tirar o fôlego! Quantas vezes juramos assim juradinho que não nos envolveríamos de novo e, de repente, já estava lá completamente enrolada ao redor da pessoa? Mas vamos falar sério...o que seria da vida e, principalmente, de nós se não amássemos assim?
    Beijão

    Quero ser Miranda

    ResponderExcluir
  3. Mesmo sabendo que ela não tinha passado por algo bom, eu torci pra que ela acabasse se libertando. A vida é complicada, vem gente, vai gente. Mas se pararmos essa corrida cotidiana por conta de uma experiência ruim, a vida fica estagnada e nada vai pra frente. Ela podia quebrar a cara de novo e acabar do mesmo jeito, jurando, juradinho. Mas sem todos esses "e se?" e receios da vida, não teria graça nenhuma.
    Texto muito, muito lindo Mafê! Ah, eu não sou de ouvir sertanejo, mas essa do post eu ouvi pela primeira vez lá por 2012/13 e foi a única de Jorge e Mateus que me convenceu. Sei cantar até hoje.

    Com carinho,
    Conto Paulistano.

    ResponderExcluir
  4. Que texto lindo! A vida é assim mesmo, a gente torce pra ser forte e não se envolver, mas quando vemos estamos depositando talvez o nosso 100%. A vida é bastante complicada, vem gente, vai gente. Algumas nem dizem adeus. Mas nunca podemos parar.
    http://eutheromania.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. "Eu estava quase me acostumando à falta de você, quando nos esbarramos em outra esquina." Jurei juradinho que não ia me apaixonar de novo e acabei me apaixonando por este texto!
    Essa é a plena verdade, a vida é muito curta pra nós ficarmos nos privando de sentir!

    velharanzinza.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Que texto! A música combina muito com o texto, simplesmente apaixonada por essa rotina que todos nós passamos e é tão gostosa né? *-*

    mariasabetudo

    ResponderExcluir
  7. Oi,Mafê ♡ Como vai? Que nome mais lindo,de onde veio essa inspiração? É um texto tão bom de se ler,é gratificante ler uma escrita dessa! Mas a vida é assim mesmo,uma hora estamos bem e outra hora estamos mal.. Chega gente nova e as pessoas velhas vão sumindo,e eu não costumo ouvir sertanejo mas essa música mesmo eu já conhecia a tempos.
    Beijos ♡
    reckless

    ResponderExcluir
  8. Ah, Mafê, que jeito envolvente de prender a gente nas suas palavras. Achei esse texto tão real, tão aberto e verdadeiro. Parabéns <3


    Beijos
    Brilho de Aluguel

    ResponderExcluir
  9. Ownnt Mafê. Acho que estou exatamente nesse momento. Em que eu percebo que não fui capaz de controlar o nascimento dessa paixão entre os risos do café-da-manhã. Aaain, podia ser diferente, não é mesmo? Podíamos realmente ser capazes de selar os pactos conosco mesmos e eles sempre cumpridos. Mas não, sempre haverá alguém que nos fará colocar nossa armadura ali no ladinho e acabou. (vivendo isso agora). O problema é que eu sei que ficarei no sofá como no início do texto. É como seu andasse em direção ao meu próprio suicídio. </3 triiiste. Amei o texto. Parabéeeennns!♥

    Tem uma surpresa pra você no Acesso Permitido! hahahahaha!

    ACESSO PERMITIDO. ♥
    www.acessopermitido.com

    ResponderExcluir
  10. O amor tem como encanto ser para sempre por enquanto.
    GK

    ResponderExcluir
  11. Gostei muito do texto! ♥
    Estou amando as imagens dos posts!
    Beijos, Aline
    Verso Aleatório

    ResponderExcluir
  12. Apaixonar-se tem seus riscos, mas não dá para negar que, enquanto as coisas estão indo bem, a sensação é maravilhosa...

    ResponderExcluir
  13. "Eu senti aquele frio gostoso na barriga e te sorri de volta" que frase fofa, que saudades de sentir esse frio na barriga.
    Belo texto Mafê :)

    http://heyimwiththeband.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  14. "A vidá é muito curta pra não se apaixonar de novo". Lindo! Estou como no primeiro parágrafo e espero voltar aqui um dia pra me identificar com o texto inteiro, haha. Lindo mesmo! <3

    melninas.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  15. Deixo aqui o meu singelo: eeeeeeeeita paaaaaau! hahahaha

    Estou na fase do primeiro parágrafo. Num dá não. Pelo menos por um tempo, me apaixonar de novo. Acho que essas coisas de amor não foram feitas pra mim. Só pra escrever, mas não pra viver hahaha.. Levei muito tombo e quero um tempinho pra mim.

    Mas esse teu final... ai ai ai...
    eita pau!!

    hahaha

    Beijuuuuuuuu
    Maya

    www.mayaquaresma.com.br

    ResponderExcluir

infelizmente a plataforma do blogger é meio ruinzinha para comentários, então, se quiser ver minha resposta ao comentário, terá que voltar por aqui. Ou comente pelo Facebook, ali em cima, aí aparecerá a notificação da resposta para você ;) Ah! e se tiver um blog, não tenha medo de deixar link, ok? Procuro visitar todos ♥