quatro minutos e meio

|

14 de junho de 2017


Estava chovendo do lado de fora e do lado de dentro do quarto. Esteban tocava estridente no notebook, fazendo chiar o som, que implorava que eu diminuísse o volume. Mas, como comecei contando, estava chovendo e eu precisava de algo que gritasse mais alto que o barulho das gotas que batiam — em mim e na janela. Cruzei os dedos torcendo para que, pelo menos, o som não estourasse, haja vista o caos que estava por todos os lados, quando a última bomba caiu no meu colo.


Não liga para essas linhas que rascunho sem sentido. Acho que é só o inferno astral anunciando que acabou de chegar. Veio junto da chuva. Eu fiquei admirando a chuva e fazendo coro, porque sim. Não me dei conta até sentir salgar a boca. Aí eu sorri, por ser boba. E na ponta do meu sorriso, vi o sol desabrochar nas nuvens e um pedacinho azul de céu.

Continuava chovendo, lá e cá. Mas tinha um solzinho, aqui e acolá. Respirei fundo, vinte vezes. Fechei os olhos, me encarei por dentro. O som continuava estridente, berrando verdades e outras coisas bonitas, denunciando meu novo vício musical, num repeat alucinado... O fato é que tinha um sol no canto dos meus lábios, e um sorriso bonito no céu. E, apesar de tudo, sigo tranquila, na certeza que tempestade nenhuma dura para sempre.

Essa, em particular, durou quatro minutos e pouco mais de meio.

comentários pelo facebook:

4 comentários:

  1. Ainda bem que as tempestades não duram para sempre, demorei muito tempo para aprender, é que bate um desespero que me faziam fica cega em relação a isso.

    Beijos
    Mundo de Nati

    ResponderExcluir
  2. Olá. Ainda bem que as tempestades são momentâneas. Até mais!
    Colecionando Palavras

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Ai caramba!!!!
    Que música!
    Ai como é bom se derramar assim de quando em vez, sem rascunho mesmo. Só sentindo, cada gotinha.
    Um abraço, Mafê!

    ResponderExcluir